quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Despedida

Olá pessoal! 

É com muita tristeza que venho contar que minha avó nos deixou no último domingo, dia 15 de Fevereiro. Sei que o blog estava abandonado já há um bom tempo, não postei mais sobre minha avó nem sobre as pesquisas a respeito do Alzheimer. Acho que a tristeza perante a situação dela acabou me desanimando. 

O que aconteceu foi que em Janeiro minha avó foi internada devido a uma infecção urinária e início de pneumonia, ficou cerca de 1 semana sob medicação e quando estava começando a melhorar iniciou uma hemorragia intestinal que os médicos não conseguiram descobrir a origem. Com isso seu quadro piorou, ela ficou alguns dias na UTI, a hemorragia parou mas seu quadro de saúde se debilitou de vez, os rins começaram a parar e ela ficou extremamente prostrada e fraca. Saiu da UTI e voltou para o quarto, onde pudemos ficar ao seu lado 24h, porém sua saúde foi piorando e a hemorragia voltou no dia 9 de fevereiro. Vim de BH para a cidade dos meus pais para ficar com a minha avó quando soube da piora na sua saúde, fiquei ao seu lado quase o tempo todo até o fim. Ela iniciou um quadro de falência múltipla de órgãos no dia 13, no dia 15 pela manhã o médico a examinou e disse que ela já estava com morte encefálica, e no dia 15 às 20h ela nos deixou.

Foi muito difícil, tanto os dias em que ela estava internada e sofrendo bastante quanto o dia em que partiu, seu velório, etc. Eu e minha mãe ficamos bastante abaladas, foi duro, mas estamos conformadas. Ela estava sofrendo muito e agora descansou.

Para encerrar o blog, quero deixar aqui uma homenagem à minha avó, que tanto me amou e quem tanto amei nessa vida...


"De tudo o que ficou, guardo um retrato teu e a saudade mais bonita."
- Legião Urbana

Pensei muito em tudo o que gostaria de escrever sobre minha avó Antônia. Sobre como ela foi uma das pessoas mais importantes da minha vida e como dizer 'adeus' foi (e ainda está sendo) muito difícil! Mas não sei se sou capaz de transformar em palavras tudo o que está aqui dentro do coração. Algumas coisas são impossíveis de serem descritas: a gente sente e fim. 

Eu não tive apenas a sorte de tê-la como avó: tive a sorte de tê-la como minha segunda mãe. Nem mesmo o esquecimento que tomou sua vida nos últimos anos foi capaz de apagar da sua memória o amor que tinha por mim, sua única neta, e por minha mãe, sua única filha. Mesmo perdida nas suas lembranças ela sempre esboçava um sorriso e demonstrava um resquício de alegria ao nos ver, ainda que não recordasse nosso grau de parentesco. 

Mulher forte essa nossa "Tonica"! Viveu sua vida sempre na luta, se dedicou de corpo e alma à sua família e à igreja que tanto amava! Sempre tinha uma palavra amiga e de apoio para quem necessitasse. Ela e meu avô eram o tipo de pessoa que não se importavam de compartilhar com ninguém o pouco que tinham. 

Ficam agora as lembranças: nossas tardes juntas na sua casa, falando sobre a vida e olhando as pessoas passando pela rua... o cheiro de café fresco e saboroso vindo da cozinha e a brisa trazendo o perfume das flores tão bem cuidadas no seu quintal! Sorte nossa que as lembranças são para sempre! Essas ninguém pode tirar de nós!

Serei eternamente grata ao universo por ter me concedido a oportunidade de estar ao seu lado nos seus últimos dias, de poder lhe agradecer pessoalmente e lhe dizer o quanto a amava, de lhe proporcionar um pouco mais de conforto nos seus últimos momentos ao nosso lado.
E como tudo na vida um dia chega ao fim, assim foi com o seu sofrimento... com o calvário que viveu nesses seus últimos dias de vida: acabou. 
Acabou, vó! A dor se vai para dar lugar à paz. A tristeza se vai e ficam as recordações de tudo que vivemos juntas!

Obrigada por tudo, vó! Obrigada!

Obrigada a todos que estiveram ao nosso lado nesse momento difícil e a todos que mesmo de longe mandaram mensagens! Obrigada a todos que fizeram com que os últimos anos de vida da minha avó fossem mais leves! Obrigada equipe da Medicenter por todo o cuidado e carinho que dedicaram à nossa Antônia! 

"Quando não tiver mais nada
Nem chão, nem escada
Escudo ou espada
O seu coração
Acordará!..."
- Nando Reis


2 comentários:

Cláudia Mendonça disse...

Gostaria de agradecer à autora do blog, pois foi mto útil pra mim, que estou vivendo o mesmo com a minha mãe com DA,com grande similaridades de fatos.

Maíra disse...

Oi Claudia! Que bom saber que meu blog pode te ajudar! Muita força para você, que vocês consigam superar as tristezas e consigam enfrentar essa doença!